15.6 C
New York
Tuesday, June 6, 2023

Comentários de um embaixador chinês sobre ex-estados soviéticos atraem ira


BRUXELAS – A China agiu rapidamente nesta segunda-feira para limitar os danos às suas relações com a Europa, repudiando os comentários do embaixador de Pequim em Paris, que questionou a soberania de nações pós-soviéticas como a Ucrânia em uma entrevista na televisão.

Os comentários de Lu Shaye na sexta-feira causaram uma tempestade diplomática no fim de semana entre ministros das Relações Exteriores e parlamentares europeus, com vários países convocando enviados da China para explicações. Suas observações ameaçaram prejudicar os esforços contínuos da China para equilibrar a corte aos líderes europeus com o comércio, ao mesmo tempo em que apoia a Rússia, com a qual declarou uma parceria “sem limites”.

A guerra na Ucrânia colocou Pequim em uma posição incômoda: recusou-se a condenar a invasão da Rússia, ao mesmo tempo em que prometeu não ajudar militarmente a Rússia em sua guerra. O Ministério das Relações Exteriores da China tentou conter as consequências dos comentários de Lu na segunda-feira, insistindo que reconhecia a soberania de todas as ex-repúblicas soviéticas que declararam independência, incluindo a Ucrânia.

“A China respeita o standing soberano das ex-repúblicas soviéticas após a dissolução da União Soviética”, disse a porta-voz do ministério, Mao Ning, falando em uma coletiva de imprensa em Pequim.

Questionada se os comentários de Lu na sexta-feira representavam a política oficial, Mao respondeu: “Posso dizer que o que afirmei agora representa a posição oficial do governo chinês”.

O Sr. Lu estava respondendo a uma pergunta da estação de televisão francesa, TF1, sobre se a Crimeia, que foi anexada ilegalmente pela Rússia em 2014, fazia parte da Ucrânia sob a lei internacional. Ele disse que a Crimeia period historicamente russa e havia sido entregue à Ucrânia, e acrescentou: “Mesmo esses países da ex-União Soviética não têm standing efetivo no direito internacional, pois não há acordo internacional que especifique seu standing de soberano. países.”

Após o briefing do Ministério das Relações Exteriores da China na segunda-feira, a Embaixada da China em Paris emitiu uma declaração dizendo que as observações do Sr. Lu “não foram uma declaração política, mas uma expressão de pontos de vista pessoais durante um debate televisionado”. Os comentários do Sr. Lu, disse o comunicado, “não devem estar sujeitos a interpretações exageradas”.

Mas a questão não desapareceu. A França, expressando “consternação”, convocou Lu na segunda-feira ao Quai d’Orsay, o ministério das Relações Exteriores, para explicar seus comentários. Os três Estados Bálticos, Estônia, Letônia e Lituânia, disseram que fariam o mesmo.

As observações do Sr. Lu provocaram raiva especial em países da Europa Central e Oriental que estavam sob domínio ou ocupação soviética. As nações bálticas, que foram anexadas pela União Soviética após a Segunda Guerra Mundial, são particularmente sensíveis a qualquer sugestão de que sua soberania esteja em questão.

Em uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE em Luxemburgo na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, disse que os embaixadores chineses seriam solicitados a explicar se a “posição chinesa mudou sobre a independência e a lembrá-los de que não somos pós-soviéticos”. países, mas nós somos os países que foram ocupados ilegalmente pela União Soviética.”

Seu homólogo estoniano, Margus Tsahkna, disse que queria saber “por que a China tem tal posição ou comentários sobre os Estados Bálticos”, que são todos membros da União Europeia e da OTAN. Os comentários de Mao não foram suficientes, disse ele, acrescentando: “Espero que haja uma explicação. Não estamos satisfeitos com esse anúncio.”

Na segunda-feira, Charles Michel, o presidente do Conselho Europeu que preside as cúpulas dos 27 líderes do bloco, disse que a política UE-China estaria na agenda oficial da próxima reunião em junho.

A declaração pouco antes da invasão russa da Ucrânia de uma parceria “sem limites” entre Pequim e Moscou já havia abalado os europeus, que mantêm grandes dependências econômicas da China mesmo que tenham se esforçado para diminuir sua dependência da energia russa.

“Isso só vai aprofundar as preocupações sobre a China na Europa e reforçar a ansiedade sobre se a China pode e vai desempenhar um papel construtivo na crise da Ucrânia”, disse Noah Barkin, especialista em China baseado em Berlim com a Rhodium Group, uma empresa de pesquisa. “Vimos uma enxurrada de visitas de líderes europeus a Pequim, pressionando Xi a se apoiar em Putin, mas todos os sinais foram na outra direção – que a China está aprofundando seu relacionamento com a Rússia.”

Em contraste com as observações do Sr. Lu, Fu Cong, embaixador da China na União Europeia, disse ao The New York Instances em um entrevista este mês que a China não reconheceu a anexação da Crimeia pela Rússia ou de partes da região de Donbass, no leste da Ucrânia, em vez disso, reconheceu a Ucrânia dentro de suas fronteiras internacionalmente aceitas, de acordo com os comentários de Mao na segunda-feira.

Mas Fu também disse que Pequim não condenou a invasão russa da Ucrânia porque entendeu as reivindicações da Rússia sobre travar uma guerra defensiva contra a invasão da OTAN e porque seu governo acredita que “as causas profundas são mais complicadas” do que dizem os líderes ocidentais.

Lu, 58, é embaixador da China na França há quase quatro anos e ganhou a reputação de ser um representante feroz, às vezes cáustico, de uma China menos tímida. Ele é considerado um dos principais expoentes do que tem sido chamado de “diplomacia lobo-guerreiro”, em homenagem a dois filmes chineses ultrapatrióticos que apresentam as tramas malignas e a morte ardente de mercenários estrangeiros liderados pelos americanos.

Lu respondeu agressivamente às críticas da China sobre como lidou com a pandemia de Covid-19, que se acredita ter começado em Wuhan, a cidade no centro da China onde ele já foi vice-prefeito, e de sua relutância em lidar de forma transparente com A organização mundial da saúde. Tornou-se conhecido na França brand no início da pandemia, em abril de 2020, quando um diplomata chinês anônimo no website da embaixada acusou enfermeiras de casas de repouso francesas de terem “abandonado seus postos durante a noite” e “deixando seus residentes morrerem de fome”. e doença”.

Essa explosão levou a primeira convocação de Lu ao Ministério das Relações Exteriores da França, a primeira vez que um embaixador chinês foi convocado lá desde a repressão aos manifestantes pela democracia na Praça da Paz Celestial em 1989.

David Pierson contribuiu com relatórios de Cingapura e Christopher Buckley de Taipei, Taiwan. Olivia Wang contribuiu com pesquisas.

Related Articles

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Latest Articles